16 de nov de 2011

Sobre o fechamento de bares na Cidade Baixa

 
Como frequentadora e produtora cultural na cidade de Porto Alegre, manifesto aqui opinião sobre a situação que desde o início do mês  de novembro abate o bairro bohêmio  da Cidade Baixa. Até sábado desta semana mais de 20 bares e casas noturnas foram fechadas e a previsão é que até  domingo as que restaram abertas também serão fechadas.

Partimos resgatando um pouco de história.
A delimitação atual do bairro Cidade Baixa abrange as avenidas Praia de Belas, Getúlio Vargas, Venâncio Aires, João Pessoa e parte da Borges de Medeiros. A "Cidade Baixa" antiga, contudo, era mais ampla. Compreendia toda a região localizada ao sul da Rua Duque de Caxias.

Na década de 1880 novas ruas foram inauguradas, imortalizando os nomes dos vereadores Lopo Gonçalves e Luiz Afonso. A atual Joaquim Nabuco também foi oficialmente aberta nessa época, batizada de Rua Venezianos, pois sediava o famoso grupo carnavalesco. O carnaval da Cidade Baixa era reconhecido e prestigiado na época, com destaque para os coros que movimentavam as ruas.



O bairro acabaria se notabilizando pela existência de uma "classe média singularmente diferenciada". Composta por famílias que "ainda botavam cadeiras nas calçadas", assistiam às matinês do cinema Capitólio e freqüentavam os armazéns em busca de "secos e molhados". Essa "atmosfera" característica, segundo Carlos Reverbel(2), definia exemplarmente a vida na Cidade Baixa.

Atualmente, o bairro se caracteriza pela grande quantidade de bares e é conhecido por ser o local preferido dos boêmios da cidade principalmente nas ruas General Lima e Silva, República e João Alfredo.
A Cidade Baixa hoje.
Grande parte dos moradores do bairro, frequentam os espaços existentes. Não podemos negar que muito da efervescência cultural da  cidade ocorre pelas ruas e antigos sobrados ou prédios reformados que hoje são palco da cultura, sejam eles bares ou casas noturnas.
Também não podemos ser parciais e dizer que tudo está uma maravilha no bairro. Quem convive e trabalha por ali sabe o quanto aumentou a violência, o tráfico, o barulho, os flanelinhas que gostam de receber antecipado...
As próprias casas sentem a mudança de comportamento pois observam a clientela de seus bares e também estão sendo prejudicados. Em determinada noite estava trabalhando em uma casa na João Alfredo, foi necessário chamar a polícia e adivinha... fomos informados que a BM não queria mais fazer ronda por ali. Pergunta: Se a polícia não vem.. quem virá?

Pois é neste caso foi a SMIC, a SMOV e os interesses  de final de ano para dar início há um ano eleitoral.

Participei da reunião dos  bares, artistas e produtores na segunda-feira, o argumento para o fechamento das casas é o Alvará de funcionamento noturno. Pois bem os donos das casas pecam sim, por não ter interesse de acompanhar seus processos de alvará que já foram encaminhados e entram em ritmo "devagar quase parando" devido a MOROSIDADE da Prefeitura de Porto Alegre e suas secretarias.

O que fazer para resolver a situação?
Cabe a ABAJA (Associação dos Bares da João Alfredo) assim como a dos bares da Lima e Silva e José do Patrocínio, fazerem um levantamento de quem são os interessados em regularizar sua situação. Quais já encaminharam  o processo, onde ele estagnou? Quem não encaminhou mas tem interesse de encaminhar?
Feito isso, é a união destes estabelecimentos, pois uma necessidade existe: REABRIR

Dou tanta ênfase no reabrir, pois não estão sendo prejudicados apenas o proprietários das casas. Temos artistas e bandas com shows  agendados e que já estão cancelados devido a incerteza de abertura. A cadeia produtiva do bairro é afetada, as padarias que funcionavam à noite, os funcionários das casas noturnas e bares, os trabalhadores das empresas de segurança os produtores culturais que mesmo não dependendo apenas da "cena Cidade Baixa" acabam prejudicados, os estacionamentos que vivem centralmente do movimento noturno.

É...  a coisa é bem maior do que imaginamos ser. Não tenho propriedade para falar em números, relativos aos postos de trabalho gerados mas é visível  que não são poucos.

A Associação de Moradores da Cidade Baixa realizará uma reunião hoje, cabe também a busca de um consenso, entre a  PM, a Prefeitura, os micro empresários  para não prejudicar apenas um lado, neste caso sabemos qual é.... o lado de quem acredita e fomenta a cultura em nossa cidade. Basta lembrarmos o que foi feito com a região do Bonfim.

Se todos cumprirem com seus papéis não enfrentaremos isso novamente no futuro e nós maiores interessados no entretenimento e lazer não ficaremos refém de uma prefeitura que apenas deseja mostrar serviço nas vésperas de um ano eleitoral!

1. Porto Alegre:crônica da minha cidade, p.208.
2. Folha da Tarde, 04/12/78, p. 04.