24 de mar de 2011

Satélite-Prontidão realiza seu último baile na antiga sede

Amanhã 25/03 será a última noite de baile do Satélite-Prontidão na sede da Av. Aparício Borges, estamos de mudança para a zona norte de Porto Alegre e a reabertura será no mês de junho. A sede atual existe desde 1952, construída com doações dos sócios e da comunidade negra. Nesta sexta-feira será o encerramento dos trabalhos. Vai acontencer o Pé Pra Fora do Satélite-Prontidão.

A noite foi organizada para relembrar os grandes momentos desta sede. Serão três bandas com participações especiais, vamos comemorar o fim de um tempo exitoso e se preparar para um novo tempo, onde teremos uma sede mais estruturada, daremos continuidade aos trabalhos existentes como o grupo de senhoras, o pré-vestibular gratuito, a biblioteca, o telecentro, os encontros dos sábados à tarde e os clássicos bailes nas noites. Ampliaremos ainda mais nosso raio de ação, ofereceremos novos serviços, atividades,,programas sociais e culturais.

Contamos com você para continuar escrevendo a história desde clube que este ano completa 109 anos de existência.

Serviço:
Pé pra fora do Satélite-Prontidão

Shows com Swinga Brasil, Calote Samba Rock e Mr. Funk. Os intervalos ficam por conta do DJ Gê Powers com os clássicos da black music do Swinge Samba Rock.

Data: 25/03 - Sexta-feira
Início: 24h
Ingresso: R$10,00

 

Satélite-Prontidão A Casa da Cultura Negra
Cel. Aparício Borges, 288

17 de mar de 2011

Ela completaria 66 anos

A pimentinha saída do IAPI estaria completando hoje 66 anos. Tenho certeza que onde quer que esteja ela canta e como canta!
Uma das minhas preferidas deixo com vocês "Corsário"


Meu coração tropical está coberto de neve,
mas ferve em seu cofre gelado,
a voz vibra e a mão escreve mar
bendita lâmina grave que fere a parede e traz
as febres loucas e breves que mancham o silêncio e o cais.
Roseirais, nova Granada de Espanha,
por você eu, teu corsário preso,
vou partir a geleira azul da solidão e buscar a mão do mar
me arrastar até o mar, procurar o mar.
Mesmo que eu mande em garrafas mensagens por todo o mar
meu coração tropical partirá esse gelo e irá
como as garrafas de náufrago e as rosas partindo o ar
nova Granada de Espanha e as rosas partindo o ar.
Vou partir a geleira azul da solidão e buscar a mão do mar
me arrastar até o mar, procurar o mar.
Mesmo que eu mande em garrafas mensagens por todo o mar
meu coração tropical partirá esse gelo e irá
como as garrafas de náufrago e as rosas partindo o ar
nova Granada de Espanha e as rosas partindo o ar.
Mesmo que eu mande em garrafas mensagens por todo o mar
meu coração tropical partirá esse gelo e irá.

Elis Regina
Composição: João Bosco / Aldir Blanc

2 de mar de 2011

Canta Imperatriz que está chegando a hora!

O frio na barriga começa a aparecer, a ansiedade vem batendo à porta, tudo porque neste sábado a Imperatriz Dona Leopoldina vai para mais um carnaval e vamos tentar o Bi Campeonato! Vamos lá, Foz do Iguaçu é o tema, preto, laranja e branco são as cores.  A alegria e a energia vão ficar por conta de todos nós! 
Agora só espero a sirene tocar!


1 de mar de 2011

A Besta Fera

Acho que o Flávio Gomes, em sua coluna conseguiu exprimir exatamente o que estão sentindo os porto-alegrenses, ciclistas e todos que de certa forma acham um ato látitmável  o ocorrido de sexta-feira.  Esperamos apenas por  justiça, um maluco desses não pode ficar solto por aí!
A Besta Fera

Besta-fera que atropelou dezenas de ciclistas na sexta-feira em Porto Alegre se chama Ricardo Neis, tem 47 anos e é funcionário do Banco Central. Ele se apresentou à polícia segunda-feira. Graças ao estúpido Código Penal brasileiro, redigido para proteger meliantes, não pôde ser preso em flagrante, embora haja vídeos mostrando o que ele fez e não exista nenhuma dúvida sobre a autoria do crime.

(É curiosa, a Justiça brasileira. O jornalista Pimenta Neves, mais de dez anos atrás, matou a namorada, Sandra Gomide. Matou, confessou, entregou a arma do crime. Mas por alguma razão que jamais conseguirei entender, e jamais alguém conseguirá explicar, está livre até hoje por “presunção de inocência”. O goleiro Bruno é acusado de mandar matar a namorada, Elisa Samúdio. O corpo não foi encontrado até agora. Está preso, embora negue o crime. O caso de Pimenta Neves seria suficiente para que fossem abertos os portões de todos os presídios do país. Se um cara mata alguém, vai à polícia e confessa, como é que um tribunal tem a coragem de deixá-lo livre? Como é que os juízes desses tribunais deitam à noite e conseguem dormir? 

Por que um sujeito que faz o que ele fez está solto e todos os outros detentos do país que alegam inocência seguem presos? Notem: são dois casos envolvendo pessoas supostamente “importantes”, de posses, como se diz: um ex-diretor de Redação de um dos maiores jornais brasileiros e um goleiro do time mais popular do país. Como acreditar numa Justiça dessas?)

Não sei o que vai acontecer com esse “serial killer” de Porto Alegre. No depoimento que deu à polícia e na entrevista que pode ser vista aqui, mente descaradamente. Diz que estava sendo ameaçado e que seria linchado se não fugisse dos ciclistas. Mentiroso, pilantra, assassino, cínico. E o delegado toma seu depoimento e o manda para casa. Será possível que um delegado não tem autoridade para dar voz de prisão com tantas provas? Ele, igualmente, é réu confesso. Não nega que atropelou aquela gente toda. Não há o que discutir, o que apurar. Ele só não matou ninguém por pura sorte, o que fez foi uma tentativa deliberada de assassinato em massa. O que é preciso fazer neste país para ir parar na cadeia?

O Ministério Público Estadual pediu sua prisão preventiva ontem à noite. Será que não há um juiz, um único juiz de plantão em Porto Alegre macho o suficiente para decretar imediatamente a prisão? Será que não há uma autoridade sequer que seja capaz de proibi-lo para o resto da vida de dirigir qualquer coisa que tenha rodas? Será que não há um diretor do Banco Central macho o bastante para demitir esse assassino imediatamente? Será que terei de conviver com o fato de que ele, funcionário público, continuará a receber seus salários pagos com o dinheiro dos meus impostos?

A besta-fera tem um passado de infrações e, segundo li, violência doméstica — seria bom que a imprensa gaúcha escarafunchasse a vida desse indivíduo, já que a polícia não parece muito disposta a nada, porque se estivesse teria caçado o sujeito até encontrá-lo durante o fim de semana, e não esperado que ele se entregasse de terno, gravata e advogado a tiracolo. É um animal selvagem solto nas ruas. E o cara fez isso com o filho de 15 anos sentado ao seu lado no banco do carona. Além de tudo, envolve no caso um adolescente que deveria ter o pai como exemplo de conduta, de vida, de tudo.

É, realmente, o fim dos tempos.

O meu Lugar



O meu lugar
É caminho de Ogum e Iansã
Lá tem samba até de manhã
Uma ginga em cada andar
O meu lugar
É cercado de luta e suor
Esperança num mundo melhor
E cerveja pra comemorar
O meu lugar
Tem seus mitos e Seres de Luz
É bem perto de Osvaldo Cruz,
Cascadura, Vaz Lobo e Irajá
O meu lugar
É sorriso é paz e prazer
O seu nome é doce dizer
Madureiraaa, lá lá laiá, Madureiraaa, lá lá laiá
Ahhh que lugar
A saudade me faz relembrar
Os amores que eu tive por lá
É difícil esquecer
Doce lugar
Que é eterno no meu coração
E aos poetas trás inspiração
Pra cantar e escrever
Ai meu lugar
Quem não viu Tia Eulália dançar
Vó Maria o terreiro benzer
E ainda tem jogo à luz do luar
Ai que lugar
Tem mil coisas pra gente dizer
O difícil é saber terminar
Madureiraaa, lá lá laiá, Madureiraaa, lá lá laiá, Madureiraaa
Em cada esquina um pagode num bar
Em Madureiraaa
Império e Portela também são de lá
Em Madureiraaa
E no Mercadão você pode comprar
Por uma pechincha você vai levar
Um dengo, um sonho pra quem quer sonhar
Em Madureiraaa
E quem se habilita até pode chegar
Tem jogo de lona, caipira e bilhar
Buraco, sueca pro tempo passar
Em Madureiraaa
E uma fezinha até posso fazer
No grupo dezena centena e milhar
Pelos 7 lados eu vou te cercar
Em Madureiraaa
E lalalaiala laia la la ia...
Em Madureiraaa

Arlindo Cruz