27 de jan de 2011

Com açúcar, com afeto



Sou encantada com a Fernada Takai, já vi alguns shows dela, sua voz aveludada faz carinho na alma mas sua voz "gritada" faz carinho na rebeldia da gente. Sempre lembro disso, quando rememoro um show do Pato Fu que vi em Campinas onde a moça aí canta "Canção para viver mais" e em seguida "Capetão", por isso o carinho e a rebeldia!

Nem um, nem outro! Achei a Fernadinha cantando Chico Buarque, é uma boa intéprete, felizmente cantar Chico não é para qualquer um e ela se revela muito boa nisso. Quando vi a música "Com açúcar, com afeto" não tive alternativa se não deixar essas coisas boas e que alimentam a alma aqui  para vocês!

Com Açúcar, Com Afeto
Chico Buarque
Com açúcar, com afeto, fiz seu doce predileto
Pra você parar em casa, qual o quê!
Com seu terno mais bonito, você sai, não acredito
Quando diz que não se atrasa
Você diz que é um operário, sai em busca do salário
Pra poder me sustentar, qual o quê!
No caminho da oficina, há um bar em cada esquina
Pra você comemorar, sei lá o quê!
Sei que alguém vai sentar junto, você vai puxar assunto
Discutindo futebol
E ficar olhando as saias de quem vive pelas praias
Coloridas pelo sol
Vem a noite e mais um copo, sei que alegre ma non troppo
Você vai querer cantar
Na caixinha um novo amigo vai bater um samba antigo
Pra você rememorar
Quando a noite enfim lhe cansa, você vem feito criança
Pra chorar o meu perdão, qual o quê!
Diz pra eu não ficar sentida, diz que vai mudar de vida
Pra agradar meu coração
E ao lhe ver assim cansado, maltrapilho e maltratado
Como vou me aborrecer? Qual o quê!
Logo vou esquentar seu prato, dou um beijo em seu retrato
E abro os meus braços pra você.

Poesia em Cordel - repúdio ao BBB


Todo início de ano é a mesma coisa, por mais que você não queria saber, olhar, formar opinião  é impossível ficar alheio ao tal "BBB Brasil". Somos bombardeados com 'Drops BBB" no mínimo vinte vezes por dia, abriu um site de notícias, adivinha o que está na capa? BBB e por aí vai o que me consola é que em março tudo acaba! Não canso de agradecer a minha professora Laura Gluer por  nos dar a leitura de "A Sociedade do Espetáculo" de Guy Débord, de onde saiu o tal Big Brother.

Em minhas viagens "internéticas" (esta expressão é do glossário da Hortência) encontrei um poema de cordel interessante, confere aí!

BIG BROTHER BRASIL

Autor: Antonio Barreto,
Cordelista natural de Santa Bárbara-BA,residente em Salvador.

Curtir o Pedro Bial
E sentir tanta alegria
É sinal de que você
O mau-gosto aprecia
Dá valor ao que é banal
É preguiçoso mental
E adora baixaria.

Há muito tempo não vejo
Um programa tão ‘fuleiro’
Produzido pela Globo
Visando Ibope e dinheiro
Que além de alienar
Vai por certo atrofiar
A mente do brasileiro.

Me refiro ao brasileiro
Que está em formação
E precisa evoluir
Através da Educação
Mas se torna um refém
Iletrado, ‘zé-ninguém’
Um escravo da ilusão.

Em frente à televisão
Lá está toda a família
Longe da realidade
Onde a bobagem fervilha
Não sabendo essa gente
Desprovida e inocente
Desta enorme ‘armadilha’.

Cuidado, Pedro Bial
Chega de esculhambação
Respeite o trabalhador
Dessa sofrida Nação
Deixe de chamar de heróis
Essas girls e esses boys
Que têm cara de bundão.

O seu pai e a sua mãe,
Querido Pedro Bial,
São verdadeiros heróis
E merecem nosso aval
Pois tiveram que lutar
Pra manter e te educar
Com esforço especial.

Muitos já se sentem mal
Com seu discurso vazio.
Pessoas inteligentes
Se enchem de calafrio
Porque quando você fala
A sua palavra é bala
A ferir o nosso brio.

Um país como Brasil
Carente de educação
Precisa de gente grande
Para dar boa lição
Mas você na rede Globo
Faz esse papel de bobo
Enganando a Nação.

Respeite, Pedro Bienal
Nosso povo brasileiro
Que acorda de madrugada
E trabalha o dia inteiro
Dar muito duro, anda rouco
Paga impostos, ganha pouco:
Povo HERÓI, povo guerreiro.

Enquanto a sociedade
Neste momento atual
Se preocupa com a crise
Econômica e social
Você precisa entender
Que queremos aprender
Algo sério – não banal.

Esse programa da Globo
Vem nos mostrar sem engano
Que tudo que ali ocorre
Parece um zoológico humano
Onde impera a esperteza
A malandragem, a baixeza:
Um cenário sub-humano.

A moral e a inteligência
Não são mais valorizadas.
Os “heróis” protagonizam
Um mundo de palhaçadas
Sem critério e sem ética
Em que vaidade e estética
São muito mais que louvadas.

Não se vê força poética
Nem projeto educativo.
Um mar de vulgaridade
Já tornou-se imperativo.
O que se vê realmente
É um programa deprimente
Sem nenhum objetivo.

Talvez haja objetivo
“professor”, Pedro Bial
O que vocês tão querendo
É injetar o banal
Deseducando o Brasil
Nesse Big Brother vil
De lavagem cerebral.

Isso é um desserviço
Mal exemplo à juventude
Que precisa de esperança
Educação e atitude
Porém a mediocridade
Unida à banalidade
Faz com que ninguém estude.

É grande o constrangimento
De pessoas confinadas
Num espaço luxuoso
Curtindo todas baladas:
Corpos “belos” na piscina
A gastar adrenalina:
Nesse mar de palhaçadas.

Se a intenção da Globo
É de nos “emburrecer”
Deixando o povo demente
Refém do seu poder:
Pois saiba que a exceção
(Amantes da educação)
Vai contestar a valer.

A você, Pedro Bial
Um mercador da ilusão
Junto a poderosa Globo
Que conduz nossa Nação
Eu lhe peço esse favor:
Reflita no seu labor
E escute seu coração.

E vocês caros irmãos
Que estão nessa cegueira
Não façam mais ligações
Apoiando essa besteira.
Não deem sua grana à Globo
Isso é papel de bobo:
Fujam dessa baboseira.

E quando chegar ao fim
Desse Big Brother vil
Que em nada contribui
Para o povo varonil
Ninguém vai sentir saudade:
Quem lucra é a sociedade
Do nosso querido Brasil.

E saiba, caro leitor
Que nós somos os culpados
Porque sai do nosso bolso
Esses milhões desejados
Que são ligações diárias
Bastante desnecessárias
Pra esses desocupados.

A loja do BBB
Vendendo só porcaria
Enganando muita gente
Que logo se contagia
Com tanta futilidade
Um mar de vulgaridade
Que nunca terá valia.

Chega de vulgaridade
E apelo sexual.
Não somos só futebol,
baixaria e carnaval.
Queremos Educação
E também evolução
No mundo espiritual.

Cadê a cidadania
Dos nossos educadores
Dos alunos, dos políticos
Poetas, trabalhadores?
Seremos sempre enganados
e vamos ficar calados
diante de enganadores?

Barreto termina assim
Alertando ao Bial:
Reveja logo esse equívoco
Reaja à força do mal…
Eleve o seu coração
Tomando uma decisão
Ou então: siga, animal…

FIM

Salvador, 16 de janeiro de 2010.

Histórinha ilustrada! São os novos tempos!

26 de jan de 2011

E camarada, ah camarada é tovarish!

"Perspectiva", do mestre Jorge Mautner... poucos conhecem essa música. Depois de "Bandeira" essa é minha preferida!

Gosto de quem gosta
Das coisas sem querer prendê-las
Gosto de quem gosta, como eu
De ficar namorando, ficar se beijando, olhando
Para as estrelas

Gosto de quem gosta
Das coisas sem querer prendê-las
Gosto de quem gosta, como eu
De ficar namorando, ficar se beijando, olhando
Para as estrelas

Assim vou caminhando
Por esta vida
Assim eu vou andando
Por esta imensa avenida
Vivendo não sei bem por quê
Sempre numa grande expectativa ahh
E avenida em russo quer dizer perspectiva
E avenida em russo quer dizer perspectiva

Sendo assim eu lhe pergunto
Se você não quer ser
A minha avenida, a minha ávida vida
A minha expectativa, a minha perspectiva
A minha expectativa, a minha perspectiva

Por exemplo
Perspectiva é avenida
Avenida Nevsky: perspectiva Nevsky
Avenida Getúlio Vargas: perspectiva Getúlio Vargas
Avenida Brasil: perspectiva Brasil
Avenida Paulista: perspectiva Paulista

É.... glasnost... transparência
E abertura é perestroika
Karandash é lápis e babushka é vovó
E camarada, ah camarada é tovarish
E paz, paz é mir mir mir

Gosto de quem gosta...

Para a rua, tambores e poetas
Ainda há palavras lindas
U R S S -- União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
Ó tu, União Soviética, Cristo entre as nações
Para o júbilo, o planeta ainda está imaturo
É preciso arrancar alegria lá do futuro

Morrer nesta vida não é difícil
O difícil é a vida e seu ofício
E os demais todo mundo sabe
O coração tem moradia certa
Bem aqui no meio do peito

Mas é que comigo
A anatomia ficou louca
E sou todo, todo, todo, mas todo...
Coração

24 de jan de 2011

Infinito Particular

Eis o melhor e o pior de mim
O meu termômetro, o meu quilate
Vem, cara, me retrate
Não é impossível
Eu não sou difícil de ler
Faça sua parte
Eu sou daqui, eu não sou de Marte
Vem, cara, me repara
Não vê, tá na cara, sou porta bandeira de mim
Só não se perca ao entrar
No meu infinito particular
Em alguns instantes
Sou pequenina e também gigante
Vem, cara, se declara
O mundo é portátil
Pra quem não tem nada a esconder
Olha minha cara
É só mistério, não tem segredo
Vem cá, não tenha medo
A água é potável
Daqui você pode beber
Só não se perca ao entrar
No meu infinito particular

Composição: Arnaldo Antunes, Marisa Monte, Carlinhos Brown

Minha Mangueira...

19 de jan de 2011

Gustavo Telles & Os Escolhidos



Para quem ainda não ouviu, vale muito a pena. Gustavo Telles o "Prego"  baterista da Pata de Elefante lançou seu trabalho solo. E vou dizer para vocês corram no site da Trama, cadastre-se e  faça o Download do cd Gustavo Telles & Os Escolhidos.

Sabe aquele rock gaúcho que há muito não se houve? Então eles trazem de volta. Com muita qualidade musical você pode escutar, escutar e escutar... assim mesmo deixa o cd repetir muitas vezes e não vai notar que tudo começou de novo. Para mim essa é uma premissa de um bom CD.

Parabéns ao Prego pelo trabalho, e claro minha gente vamos aproveitar  porque eles estarão no Bar Ocidente. Eu é que não vou perder!


A culpa deve ser do ruivo - Original

Conheci uma guria tri legal
Numa Rua da Ladeira central
Lá no meio do Carnaval

De cabelo de mola
Rostinho de bola
E jeito de carola

Tava chegando da Serra
Como se fosse prá guerra
Vindo lutar pela política dela

Apresentadas, ficamos amigas
Mas de cara trombica,
Ficou difícil a comunica!

Olhava sem bicar nos meus olhos
Falava baixo sem alcançar meus ouvidos
Mas sorria sempre no final...

Tive uma certeza:
A crespa da Serra
Não gostou de mim...

Assim passaram-se o tempo, outros encontros...
Mais conversas, menos conversas, tudo na educação...
Nada mais profundo, amizade social...
 
A crespa, discreta mas sempre forte
Marcando posição,
Cheia de atitude...

Certo dia confessa-me: Que é só; que se sente só;
Que preferiu viver quase completamente
Sem amigos a quem confiar...

Surpresa, deparo-me frente a uma aparente contradição entre o que ouço e o que pensava saber da crespa, da mola, da bola, da carola...

Ouço, entendo e compreendo essas e outras tantas coisas...
Ficamos novamente amigas....
Somos reapresentadas por nós mesmas

A partir daí a crespa é rebatizada por mim de Nega Ruiva
Não saiu mais da minha vida, nem eu da dela!
E são tão tantas diferenças e tantas semelhanças!

Prometi cuidar dela certa vez...
Ela anda fugindo de mim....Até tem razão
Sabe que sou intransigente quando o assunto é amor...

Hoje escrevo por um klik: descobri o que já vinha intuindo:
A Nega Ruiva ta bem diferente daquela que encontrei na Muamba da Borges de Medeiros em 2006: Cheia de querer, de vontade, de opinião, de idéias, tantas que nem gostava de mim!!!!!!!

Hoje eu tenho a Nega Ruiva mais bacana do mundo comigo, afetiva, amada, amiga, mas sinto falta daquela mulher forte, que sabe o que quer, que mata um leão por dia (mas não é leão domesticado!). Àquela mulher que não se deixa abater, não se deixa desrespeitar, que valoriza as suas conquistas, que se ama!

Amanhã vou para a ladeira procurar minha amiga Nega Ruiva! Onde te acho Nega Ruiva? Onde tu te escondeste?

Rita Buttes
18/1/2011 07:52

A culpa deve ser do ruivo


Na vida encontramos muitas pessoas, algumas passam outras duram por um tempo e outras ficam a vida toda. Há os que se entende desde o primeiro momento, os que aprendem a respeitar-se e os que adquirem o respeito a amizade e o carinho e no decorrer desta estrada estreitam cada vez mais relação. Os que não temem xingar e dizer não quando necessário e quando está ao seu alcance giram o mundo para fazê-lo sorrir esses não podem ser esquecido jamais.

Estava acordando em um dia um tanto estranho, uma penumbra estava sobre meus olhos,  problemas todos temos mas nesse dia em especial deixei que eles me abatessem mais que deveriam. Claro todos temos momentos de fragilidade, ás vezes cansamos de ser super-mulher o tempo todo e acabamos abatidos demais.

 Pois então foi assim que cheguei em meu trabalho, como de rotina liguei o computador sintonizei na rádio para ouvir as notícias do dia e como de praxe, abri os e-mails. Pois não é que estava lá um e-mail de uma
grande amiga que aprendi a respeitar, gostar e porque não amar ? Encontrei um e-mail da Ritinha ( já falei dela por aqui), o título era "Aculpa deve ser do ruivo". Fiquei entrigada com o título,  no corpo de texto dizia pensei muito em ti e hoje de manhã cedo escrevi...

Deixo no próximo post o conteúdo.

Primeiro post do ano


19 de janeiro, o ano mudou lá se foram algumas semanas e só agora tive disposição de voltar aqui e escrever. Ando meio assim sei lá, pego a caneta e as frases não saem, olho para meus cd's e nenhum deles faz com que o retire da prateleira e coloque no som, pego o telefone e giro de cima abaixo a agenda telefônica e não tenho vontade de falar.

Em compensação já estou no segundo livro do ano, a cada dia  tento acertar, não perder o foco. Confesso está sendo uma difícil aprendizagem. Voltar para mim mesma, olhar no espelho se enxergar mais e enxergar menos ao meu redor. Avaliar minhas certezas, minhas metas de vida. Voltar para universidade e logo, logo  voltar a praticar uma atividade física... acho que estou a procura de minha saúde mental.

Quem me conhece sabe, não costumo gritar, berrar, brigar ou tranferir as responsabilidades para ninguém, ás vezes minhas expressões dizem tudo  mas sempre chega o momento da insuficiência de estravaso. Estou em busca de formas de extravaso  emocional e reencontrarei ...

Esse tempo do  blog foi um período importante de reflexão. Confesso, meus 100% de tezão pela escrita ainda não voltaram completamente, mas aqui amigos, tenho encontro marcado com todos vocês e não poderia chegar em fevereiro sem um post desejando coisas boas para nós. Sem dar aquela dica básica de música, livros ou qualquer devaneio que passa por essa cabeça que  no momento está um pouco vazia.

Não se assustem estou bem! Apenas dei um tempo mas apertar os parafusos, ajeitar as engrenagens e aí sim partir para o ano de 2011 com metas e vitórias!

Beijos para todos vocês!